segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

VERSOS EM LÁGRIMAS


Como estão enfastiados meus olhos!
Nem as belas palavras os alegram,
Nem belos jardins com eles combinam;
Há muito se perderam nos abrolhos.

Triste não sentir nos olhos o sabor
Das preces presentes na natureza,
Porque tudo que sentem é tristeza,
O gosto presente é o do amargor.

Lá fora, a vida passa normalmente...
Noutros olhos o prazer predomina;
Todavia, nos meus, não tenho essa sina.

O tempo pra sempre seguirá em frente,
Sem os meus olhos demais fatigados
Que agora esperam a morte entre os prados.

(Luciene Lima Prado) 

8 comentários:

  1. Depois da tristeza os sorrisos irão brotar, como óasis no deserto.Versos de extrema beleza.Beijos

    ResponderExcluir
  2. O que pode esta lingua? O que pode este poder de inspirar e se colocar? Minha amiga ao ler seu otimo soneto carregado com todas melancolias tipicas de um belo soneto,sinto na alma um vazio e no coração a alegria de ler algo tão profundo em poesia,cravando sua bela volta às letras.Que seja inspiração e que o sorriso seja possivel numa manhã anunciada pelos passaros em festa no jardim de sua poesia.
    Amei a construção.Meu carinhoso abraço de paz.Bela semana.

    ResponderExcluir
  3. Lu, sem brincadeira, és uma das melhores poetisas que conheço. Como deixou-me emocionado o seu poema, uma obra prima amiga. Aplausos!

    ResponderExcluir
  4. A alma desse eu poético - se os olhos são mesmo o espelho da alma, como diz a crença popular - me pareceu muito desencantada da vida, que a vida não costuma mesmo encantar. Aprecio e me surpreendo com aqueles que são entusiastas e mantêm uma alegria perene. O poema emociona a quem identifica nele sentimentos irmãos.
    Eliane F.C.Lima (Blogue "Poema Vivo").

    ResponderExcluir
  5. - Pois é! você às vezes diz coisas que não deve dizer, como por exemplo, não se achar uma exímia poetisa, e como justificam as palavras do comentário de helio.rocca, faço minha também estas palavras. Se eu morasse enfrente ao mar, colheria todas as ondas, feito rolos de marolas, e te banharia, sim com água do mar, pra ver teus versos desaguar. Se eu fosse chuva, te inundaria, pra ver tua poesia todo dia, chuva que não molha , chuva de pensamento, chuva feito poema de Luciene Lima Prado: "Como estão enfastiados meus olhos!/Que agora esperam a morte entre prados", claro subtende-se morte simbólica, porque seus olhos são muito vivos, isto mesmo, eternamente vivos. Mário Bróis.

    ResponderExcluir
  6. Traze-me um pouco da tua lembrança,
    aroma perdido, saudade da flor!

    Bom dia e beijos perfumados prá voce! M@ria

    ResponderExcluir
  7. O tempo seguirá em frente seu curso, e no caminho ficarão jogados vários sentimentos de amor...um belo dia pra ti ....

    www.olivrodosdiasdois.blogspot.com

    ResponderExcluir

Agradeço a todos pelos comentários! Tudo de melhor para vocês! Um abraço apertado!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...