quinta-feira, 9 de setembro de 2010

A BOCA


Minha boca tem
O sabor e a peçonha,
A vida e a escuridão,
A certeza e o mistério.

Saem da minha boca
Um cheiro de fronha,
O hipnotismo da canção
E todo meu império.

Em minha boca,
O beijo tíbio e mortal,
A bonança e a fúria,
A tarde e o inverno.

Em minha boca,
O último castiçal,
A alma agora impura
E o amor nunca eterno.

Eis que minha boca sucumbe,
Murcha, insana e púrpura.

(Luciene Lima Prado)

Um comentário:

  1. Muito bom e original seu poema, parabéns, tudo de bom pra você.Beijos

    ResponderExcluir

Agradeço a todos pelos comentários! Tudo de melhor para vocês! Um abraço apertado!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...