domingo, 5 de setembro de 2010

UM POEMA, TALVEZ...


Tens a carne e o verso
A alma e o sonho impresso;
A manhã e vento,
A tarde e o rio cinzento,
A noite e o último lenço.

Tens a carne que sangra ao sol,
As horas que te enforcam com um nó;
A incerteza e a terceira estrada,
A escrivaninha e a poesia roubada.

Sentes que nada possuis além de ti próprio
E mais umas tragadas de ópio.

(Luciene Lima Prado)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço a todos pelos comentários! Tudo de melhor para vocês! Um abraço apertado!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...